ESCLARECIMENTO SOBRE O TRABALHO E OBJETIVOS DA ALAAR

alaar_vista_geral

Apesar de, na maioria esmagadora dos casos, sentirmos o apoio inequívoco dos amigos dos animais e seguidores da ALAAR, surgem-nos pontualmente situações muito desagradáveis e que entendemos neste momento dever referir, esclarecendo a nossa posição.

A ALAAR é uma associação de pessoas amigas dos animais legalmente constituída pela iniciativa de uma pessoa que tantos conhecem, a D. Zulmira Marinho, de inequívoca dedicação à vida em todos os sentidos. Além das outras atividades constantes de voluntariado, sonhou e realizou uma associação de apoio aos animais de rua em Ponte de Lima, onde os casos de abandono, maus tratos, negligência e outros eram evidentes, como aliás, por quase todo o país.

Neste momento, a ALAAR possui um abrigo construído com a ajuda de alguns mecenas e muitos, muitos amigos, uns ocasionais e outros mais constantes que vão colaborando para a melhoria das condições em que vivem os mais de 100 animais que cuidamos, muitos deles, para o resto da sua vida.
Temos, desde o primeiro dia, a excelente colaboração de uma clínica veterinária limiana, cujos profissionais devotam também a maior atenção e carinho aos inúmeros casos que tentamos resolver.
Temos a preciosa colaboração de voluntárias e amigos que se deslocam diariamente ao abrigo para assegurar a higiene, alimentação, socialização e atenção possíveis aos nossos animais.
Temos alguns outros voluntários e contatos que colaboram para a resolução das inúmeras situações com que diariamente somos confrontados. Esforçamo-nos, no máximo das nossas possibilidades, para esclarecer, solucionar, realizar contatos, conseguir soluções para dezenas de casos que outros amigos dos animais encontram e conseguem, com a nossa ajuda, resolver.

NÃO TEMOS:
– Espaço ilimitado no abrigo
– Funcionários para realizar recolhas de animais a qualquer hora ou dia da semana ou a trabalhar a tempo inteiro para a ALAAR
– Orçamentos ilimitados (embora os amigos dos animais nunca nos tenham abandonado nas horas difíceis)

NÃO SOMOS:
– um serviço público, como os canis municipais.
– pessoas sem vida própria e sem ocupação que nos permitam estar sempre disponíveis para tudo e para todos.
– obrigados a responder positivamente a tudo e todos.
– insensíveis à falta de educação e abuso de “alguns” que nos atiram com os problemas para cima, achando que já fizeram a boa ação do mês ou do ano e vão dormir sossegados depois de terem varrido os problemas para debaixo do tapete alheio…

DESEJARÍAMOS:
– acorrer a todos os casos e salvar todos os seres indefesos
– ter recursos ilimitados
– que caísse dinheiro do céu para fazer um abrigo maior e cada vez melhor, um parque de bem estar animal, um hotel para animais de estimação, um santuário para os não adotáveis, uma clínica ao nosso serviço, funcionários a tempo inteiro, etc,etc.

Mas como isso não vai acontecer, NÃO PODEMOS ACOLHER TODOS OS ANIMAIS QUE AS PESSOAS ENCONTRAM Á PORTA DE CASA E NOS CONTATAM PARA NOS DESPEJAR EM CIMA.

Especialmente, não temos de nos sujeitar a ser INSULTADOS e DIFAMADOS, por pessoas que, com este comportamento, nem amigos dos animais são!

Quando informamos que não temos espaço para acolher mais animais, a nossa dor é, possivelmente, maior do que a daqueles que não entendem as nossas limitações, nem se dão ao trabalho de nos visitarem, verificando as reais condições e dificuldades com que, diariamente, nos deparamos!

Não basta dizer-se amigo dos animais e tentar passar o problema para outros, eles são indefesos e são responsabilidade de todos nós, todos os dias.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s